26 de junho de 2020

Tereza Cristina: “Venda de soja à China não afeta a Amazônia”

O agronegócio brasileiro está focado neste momento em conter casos do novo coronavírus entre os trabalhadores do setor, além de adotar medidas estritas para evitar a contaminação, ainda que pouco provável, de produtos. A afirmação é da ministra brasileira da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, em entrevista à mídia chinesa. O país asiático, segundo a ministra, compra hoje 88% da soja brasileira destinada à exportação. “A China é um grande comprador e parceiro. Temos um produto de qualidade, com mais óleo, são mercados complementares. Além disso, tradings chinesas também operam no Brasil para levar os grãos à China”, disse a ministra. Ela refutou qualquer rumor de que o apetite chinês por soja corresponda ao desmatamento ou sua ampliação na região amazônica. “A soja brasileira é produzida especialmente no Centro-Oeste, além de em estados da região Sul, e há espaço para que cresça sem desmatar nada”, garantiu Tereza Cristina, lembrando que o maior estado produtor no Brasil, o Mato Grosso, tem parte do território classificado como Amazônia Legal, embora não seja do bioma amazônico.

PORTARIA QUER ELIMINAR RISCOS COM PANDEMIA
Para evitar quaisquer casos ou riscos, o ministério, junto às pastas da Economia e da Saúde, publicou, por meio da Portaria Conjunta Número 19, de 18 de junho, uma série de medidas de segurança que indicam padrões para transporte, manuseio e outros quesitos na produção e escoamento do agronegócio brasileiro. A partir de agora, todos os participantes da cadeia produtiva são obrigados a adotarem tais padrões, sob fiscalização do governo. A portaria coincide com esforços cada vez mais estritos da China para evitar uma segunda onda de contaminações pelo novo coronavírus. Em Beijing, desde 11 de junho foram confirmados casos justamente detectados no mercado distribuidor de produtos agropecuários de Xinfadi, responsável pelo abastecimento de 80% da capital chinesa. A fonte primária do novo coronavírus no local ainda é pesquisada. Produtores no Brasil temiam que controles mais estritos poderiam significar restrições às vendas brasileiras ao país asiático.

“Desde o início da pandemia, adotamos um Comitê de Gestão e Acompanhamento para prevenir casos nas cadeias do agronegócio brasileiro, a fim de que houvesse maior segurança para os trabalhadores. Os protocolos de segurança são de profissionais da saúde, cumprindo o que a ciência preconiza, realizado em conjunto com entes privados e infetectologistas de hospitais como o Sírio-Libanês e o Einstein, em São Paulo”, afirmou a ministra. Ela reforça que não houve qualquer disrupção no agronegócio no Brasil, ainda que tenha havido interrupções pontuais, especialmente em frigoríficos. Para a ministra, o fato de a produção estar em um ambiente rural, com menos densidade populacional pode ser um fator determinante.

Segundo a ministra, hoje há 102 plantas brasileiras habilitadas a vender proteínas para a China – carnes bovina, suína e de frango, e a ideia é consquistar tal confiança pelas autoridades sanitárias chinesas que estas aceitem plantas indicadas pelo ministério no Brasil. Segundo Teresa Cristina, este é o padrão utilizado em relação à produção norte-americana e quem acaba por escolher os fornecedores são os próprios agentes de mercado.

AMPLIAR A CESTA DE EXPORTAÇÃO AGRÍCOLA PARA CHINA
A ministra relembrou um fato inusitado na última visita presidencial brasileira à China, quando aos brasileiros foi oferecido um café. A ideia foi também estimular o grupo a trabalhar mais a promoção do grão no mercado chinês. Segundo Tereza Cristina, é um desejo do ministério ampliar a cesta de produtos agrícolas brasileiros exportados à China. Ela destaca a recente inclusão do melão como um dos produtos neste processo. Frutas estão entre as prioridades brasileiras para venda à China. A próxima, segunda a ministra, será a uva.

O governo quer começar a trabalhar também no envio de castanhas à China, e a ministra destaca ainda setores como o vinícola. “Nossas espumantes são de excelente qualidade”, diz Tereza Cristina, ao afirmar que o Brasil tem produtos agropecuários “de qualidade e em grande volume”. O etanol está também entre as prioridades em relação à China: “No Brasil, a gasolina tem adição de 27,5% de etanol por litro, o que garante uma energia mais limpa”, diz a ministra. Quando se refere aos pequenos e médios produtores, a ministra afirma que trabalha junto ao governo chinês para que sejam diminuídas as barreiras não tarifárias aos produtos – incluindo burocracias que permitem a habilitação de novos produtores para a venda – e destaca que nas proteínas 20% dos vendedores à China são pequenos e médios produtores.

RECORDAÇÕES DA CHINA
Tereza Cristina já esteve duas vezes na China como ministra, posto que assumiu em 2019. Mas antes disso já havia conhecido o país, há 14 anos. Segundo ela, a rapidez do desenvolvimento é algo que a impressiona, além de os benefícios para os cidadãos chineses. “Sou fã da China”, revelou a ministra, que disse que também sente um povo gentil quando viaja ao país. Além de Beijing, a ministra conhece outras cidades, como Shanghai, e localidades no interior. Segundo ela, a intenção é voltar quando a pande

Canal AgroRevenda

 

Papo de Prateleira

 

Newsletter

Receba nossa newsletter semanalmente. Cadastre-se gratuitamente.