Raça Forte é atendimento garantido!

Revenda tradicional de Presidente Prudente completa 29 anos de atuação investindo em bom atendimento, qualidade, preço e apoio ao espaço para a mulher trabalhadora.

Todo dia ele faz tudo sempre igual. Às seis e vinte da manhã, está de pé, ao lado de um funcionário, abrindo a loja para atender os clientes na ensolarada e quente Presidente Prudente, extremo oeste do estado de São Paulo. Doze horas depois, às seis da tarde, fecha as portas, porém vende para todos que ainda estiverem lá dentro, independentemente de quantos sejam. Leandro Bezerra de Menezes, 65 anos de idade, outros 42 de agropecuária, é energia pura. Acelerado. Atende, mão no telefone, conversa. “Você não devolveu ao estoque isto aqui? Vá lá, por favor”. Responde, cumprimenta, despacha o caminhão do cliente. Telefone. “Tchau, doutor, obrigado”. Assina, confere, pergunta, telefone. “Prego 22 por 42. Nove reais. Às ordens”. Parece pipoca, não sai da cadeira, na sala de vidro. “Raça Forte, boa tarde!”. E ainda atende gente desesperada mesmo no feriado ou fim de semana. “Não tem dinheiro que pague um cliente bem atendido e satisfeito. Num sábado, abri a loja apenas por causa de um touro doente. Você precisa ver a satisfação do pecuarista. Deu gosto”, conta, repetindo sem parar o gesto de arrumar os cabelos lisos.

No espaço ao lado da sala dele, os clientes e visitantes chegam, mandam um alô e seguem para tomar água e café no espaço ao lado. Sentam no sofá e conversam como se estivessem em casa. Um entra e sai sem fim. “Encontramos de tudo aqui e é um ponto de conversa com os amigos. A gente se atualiza sobre vários assuntos, falando com todos”, conta Paulo Azenha, que faz soja com pivô central, cana-de-açúcar e pecuária em uma propriedade de Mato Grosso do Sul. No balcão, o atendimento fervilha, gente atrás de remédio, vacina, bota, sal. A Raça Forte tem quase três décadas de histórias para contar. Comercializa insumos, ferragens, máquinas, ferramentas, acessórios, medicamentos veterinários, suplementação animal, máquinas e equipamentos para ordenha e insumos em geral. O lema é ‘vender produtos de altíssima qualidade, com preços satisfatórios, buscando a cada dia o melhor para o produtor, para que juntos possamos crescer’. A empresa ainda presta assistência externa, ajudando os pecuaristas na própria fazenda. Com equipe especializada, seja no leite ou em defensivos agrícolas. A trajetória do negócio começou com o próprio Leandro e o sócio Celso, que conduz a parte administrativa até hoje. “Em 1976, comecei a trabalhar na empresa Maurílio Fernandes, hoje Small, uma distribuidora de produtos de petróleo. Em 1987, montamos lá uma divisão agropecuária. E gostei demais. Em 1990, montamos a Raça e deu gosto de ver. Começamos como empregados. E os donos foram extraordinários e nos ajudaram bastante. Aproveitamos o embalo e seguimos firmes e fortes até hoje”, lembra Leandro.

Para isto, não falta vontade e energia ao homem que não teve paciência nem para terminar a faculdade de Administração de Empresas que cursava. “Eu sou só um vendedor. Meu sócio vê preço, compra, faz negócio. Eu cuido de vender. E o negócio é eficácia, trabalho e oportunidade. Estamos aí. Gosto muito de atender, é um prazer. Dou preço, prazo e tudo. E a pessoa sai daqui satisfeita. Por isso é esse entra e sai de pecuaristas. Graças a Deus! É o nosso ‘ganha- pão’. Tem café quentinho para quem chega, mesmo que não venha consumir. Promovemos reunião de pecuaristas e a presença deles só vem somar ao nosso trabalho. Tudo se resume a atender bem, com produtos de qualidade. Para a clientela voltar e indicar para outras pessoas que não conhecem a gente”, reforça. É fato, comprovado por empresários rurais de respeito, como Antonio Renato Prata, o ‘Pratinha’, 75 anos de fazenda. “É uma revenda que está ao nosso lado há muito tempo. Sempre encontramos o que precisamos, somos bem atendidos e o Leandro e o Celso são grandes parceiros e amigos”, revela o gestor da Prata Agropecuária.

O forte da Raça é a pecuária. E o ‘bicho pega’ mesmo nos meses de abril e novembro, por conta da campanha de vacinação contra a Febre Aftosa. “É a época em que os pedidos acumulam. O produtor quer mexer com o gado, vacinar. São dois meses que plantam faturamento para nós, garantem os pagamentos do fim de ano, o ciclo de venda é muito maior. Mas nos outros meses também vendemos bem, em um patamar de eficiência que dá para tocar os negócios”, acrescenta.

“Entrei na Raça Forte há quatro anos e fui conhecendo as informações aos poucos, com o tempo. Aprendi que o mais importante é tirar todas as nossas dúvidas para atender bem. Perguntando ao nosso médico-veterinário e também aos clientes. Tudo para oferecer o melhor custo-benefício aos produtores”, explica Gabriel Castelano, um dos oito vendedores da revenda. “A correria é grande, mas tudo acaba bem se você trabalha com atenção, vê todos os detalhes e confere notas, pedidos e guias. O que chega precisa estar certo. O que sai necessita ir à pessoa certa, do jeito certo”, fala o conferente Valmirá Ferreira de Souza, responsável pelo recebimento de produtos das empresas fornecedoras e o despacho de material para os clientes. Outro fato que chama a atenção na loja é a forte presença feminina no quadro de colaboradores. Daniela Cristiane da Silva tem 35 anos de idade e atua há onze anos na parte administrativa. “Eu amo trabalhar aqui”, confessa, com sorriso no rosto e olhos verdes brilhando. “A correria é grande, mas é muito bom fazer parte desta equipe”, concorda Valquíria Rodolfo de Melo, responsável pelo Caixa, onze anos de casa. Certamente, são motivações a mais para injetar energia no negócio do Celso e do Leandro. “Muitas vezes, o cliente fala que vai passar aqui porque sabe que a loja está aberta, mesmo que ainda não tenha chegado o produto que ele precisa. Só para visitar, conversar com a gente. É muito bom saber disto. E dá ânimo para seguir trabalhando. Sou moleque novo, tenho força e ainda ando à noite para manter o corpinho e a forma. Se não, vamos para aquela outra forma, que não quero ver tão cedo”, conclui, sorrindo, Leandro.

Canal AgroRevenda

 

Papo de Prateleira