Propagação de informações imprecisas sobre setor florestal pode prejudicar exportações

Segmento de florestas plantadas é, na verdade, um dos que mais contribuíram para a conservação do meio ambiente.

O especialista no setor florestal, Marcelo Schmid, alertou que “a propagação de informações imprecisas sobre o setor florestal – seja por falta de informação, precaução ou estratégia comercial – pode levar alguns compradores da  madeira brasileira a rever suas parcerias comerciais em nosso país”. Segundo o sócio-diretor da Forest2Market do Brasil, empresa que possui um banco de dados único, atual e exclusivo de transações entregues e uma infraestrutura abrangente de coleta de dados, mesmo produtos cultivados a milhares de quilômetros da Amazônia podem ser prejudicados por sua origem brasileira. “Na verdade, a grande maioria da produção madeireira no Brasil é oriunda de madeira que foi plantada e colhida, sem um centímetro quadrado de desmatamento”, ele ressalta.

Segundo análises do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE) e da Forest2Market do Brasil, a participação da madeira oriunda da floresta amazônica é muito pequena no mercado brasileiro. Apenas 10% da madeira em toras produzida no país é oriunda de florestas nativas, como a Floresta Amazônica, enquanto 90% vem de fato de florestas plantadas. Na realidade, a produção de madeira oriunda de floresta nativa no Brasil vem decrescendo fortemente ao longo dos anos e sendo substituída pela produção de madeira de florestas plantadas.

Setor florestal no Brasil contribui para a conservação do meio ambiente – O segmento de florestas plantadas, na verdade, é um dos que mais contribui para a conservação do meio ambiente entre os segmentos do setor primário. “Para cada hectare de florestas plantadas para fins produtivos no Brasil, o segmento conserva 0,7 hectares de floresta nativa, um percentual muito acima da obrigação legal. O setor representa 6,1% do PIB industrial nacional, é responsável por 3,7 milhões de empregos, pela geração de R$ 11,5 bilhões em tributos e pela conservação ambiental de 5,6 milhões de hectares”, afirma Marcelo. Além disso, segundo o especialista, dos 7,8 milhões de hectares de pinus e eucalipto plantados no país, 5,8 milhões de hectares (74,4%) possuem algum tipo de certificação socioambiental que atesta que a madeira ali produzida segue preceitos rígidos de governança ambiental, social e técnica. A madeira produzida no Brasil e que hoje abastece dezenas de países é um exemplo reconhecido mundialmente de indústria sustentável, porém, os alertas recentes sobre o desmatamento da Amazônia  podem comprometer esse reconhecimento.

“Aquele que chamamos de ‘madeireiro’ é, na maioria das vezes, um produtor de madeira, vinculado ou não a um empreendimento industrial de base florestal”, explica Marcelo..  “Ora, sendo a floresta a sua fonte de suprimento e renda, seu interesse não é a destruição do ambiente, mas a perpetuação desta fonte de matéria-prima, por meio da exploração sustentável da floresta”, destaca o especialista.

Marcelo chama a atenção para os problemas gerados pela falta de informação a sociedade brasileira sobre o assunto, mas ressalta que o problema ultrapassa fronteiras: “Essa falta de conhecimento é ainda maior fora do país, onde o entendimento da geografia brasileira e seus biomas, do setor primário e seus produtos, da Amazônia e das políticas públicas nacionais voltadas à gestão ambiental nacional, é praticamente nula”, avalia.

Sobre a Forest2Market do Brasil – A Forest2Market do Brasil é uma empresa brasileira, sediada em Curitiba e de propriedade conjunta da Forest2Market e do Grupo Index. Criada em 2013, a Forest2Market do Brasil utiliza a metodologia Forest2Market para permitir que os participantes das indústrias florestal, madeireira e de papel, bioquímica e bioenergia tomem melhores decisões aplicando especialização no setor e conjuntos de dados exclusivos. Como uma empresa que acredita que a única maneira de obter uma compreensão real do mercado é coletar dados transacionais, a Forest2Market do Brasil tem um banco de dados único, atual e exclusivo de transações entregues e uma infraestrutura abrangente de coleta de dados, que permite a coleta de milhões de transações todos os anos. É uma terceira parte neutra, independente em propriedade e estrutura, que quantifica os custos de estocagem, aquisição, frete e despesas gerais, proporcionando uma visão sem precedentes sobre a cadeia de suprimento de madeira. A Forest2Market do Brasil lançará sua ferramenta de inventário florestal, a Timber Supply Analysis 360, em 2019.

Fonte: Assessoria de Imprensa

Canal AgroRevenda

 

Papo de Prateleira