Peste Suína na China preocupa soja no Brasil

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, disse em reunião na Associação Brasileira da Proteína Animal (ABPA), que, com certeza devido a Peste Suína na China – que já deve ter dizimado cerca de 200 milhões de porcos – “venderemos menos soja, mas venderemos mais carnes”. Ainda disse a ministra: “agregaremos valor, vendendo menos soja, a 500 dólares a tonelada, versus suíno, frango e bovinos, a dois mil dólares a tonelada”.

Nada como o bom acaso para nos proteger, como cantou os Titãs. Ou seja, a China está em meio a um grave drama que elevará também a sua inflação. Por ser o principal cliente do Brasil, não significa boa notícia.

Suinocultores brasileiros esperam, sim, vender mais e a melhores preços, mas não há rebanhos no mundo que possam suprir o drama chinês. Por outro lado, devido a demanda menor da soja, a oleaginosa segue com preços menores, e a China no 1° trimestre deste ano importou no geral menos 14% do que em 2018.

A Agência Reuters informa que a Peste Suína na China está fora de controle. Enquanto isso, aqui no Brasil o ideólogo Olavo de Carvalho, o guru, levou um puxão de orelha dos militares; e as lideranças dos caminhoneiros, em reunião com o governo esperam sucesso com a ideia utópica de aumentar a tabela do frete mínimo, conforme aumenta o custo com diesel. Deveriam, sim, se organizar em cooperativas de transporte, por exemplo, a Cootram, de Nova Mutum/MT.

E seguimos na nossa campanha: ou o Brasil cresce 4% ao ano ou não haverá riqueza pra ninguém. Pra isso, precisamos de um plano agroindustrial nacional pra já.

José Luiz Tejon Megido é mestre em Educação Arte e História da Cultura e membro do CCAS

Fonte: Assessoria de Imprensa