Pecuária brasileira a partir de 1º de janeiro de 2019!

Na 11° edição da Conferência Internacional de Pecuaristas (Interconf), que aconteceu nos dias 11 e 12 de setembro em Goiânia (GO), um dos maiores eventos do mundo na pecuária de corte, realizado pela Associação Nacional da Pecuária Intensiva (Assocon), a pergunta mais impactante foi: “Como será 1º de janeiro de 2019?”.

Nosso Brasil segue caminhando aos trancos e barrancos, mas segue. Enquanto parte do país trabalha, a outra parte só fala, fala, fala e fala. Neste Congresso, com cerca de 1500 pessoas, um dos temas discutidos foi a perspectiva das Eleições 2018 e como será o Brasil após 1º de janeiro de 2019.

Na pecuária, temos pelo menos metade do rebanho brasileiro que, ou muda a aplicação da tecnologia, ou mudarão os próprios pecuaristas. Na Interconf, temas como genética, bem-estar animal, o papel do cooperativismo na economia e o monitoramento de precisão foram debatidos.

Dos mais de 200 milhões de bovinos no país, considerou-se que 10% são de ótima e excelente administração.

Hoje existem tecnologias que permitem monitorar boi a boi e seus respectivos desempenhos. Há soluções inovadoras em nutrição como um caso de sucesso mexicano apresentado, a Sukarne, e outra bela novidade brasileira, a cooperativa Maria Macia, uma das raríssimas iniciativas de cooperativismo entre pecuaristas.

Futuro político

As opiniões são muito parecidas com a de todos os analistas. Bolsonaro no 2° turno é uma incógnita, mas fico com a sensação de que teremos um Brasil, este do interior, mais conservador e menos aberto a visões que seriam propostas de esquerda. Por outro lado, teremos provavelmente um Brasil mais do litoral propenso às mensagens populares ou populistas.

Então, iremos para uma bela pororoca no 2° turno. Reconciliar isso depois será a grande dúvida.

Mas, ao ver essa marcha de incertezas, esse gigantesco risco nacional, como nunca dantes nesta casa tropical, cada vez mais reitero e aqui vocifero: precisamos da orquestração, da sociedade civil responsável e organizada, apolítica partidária, e não ideologicamente viciada, para formar um 4º e preventivo poder, o do bom senso e da sensatez, pelo menos na economia e infraestrutura.

Que as grandes confederações nacionais empresariais, e todas elas com fortes conexões para o agronegócio, se reúnam pela primeira vez num projeto para o Brasil e que atraiam as áreas de inteligência do país para um Brasil acima das tentações ilusórias político-partidárias, quebrado e dividido.

Sobre o CCAS – O Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS) é uma organização da Sociedade Civil, criada em 15 de abril de 2011, com domicilio, sede e foro no município de São Paulo-SP, com o objetivo precípuo de discutir temas relacionados à sustentabilidade da agricultura e se posicionar, de maneira clara, sobre o assunto.

O CCAS é uma entidade privada, de natureza associativa, sem fins econômicos, pautando suas ações na imparcialidade, ética e transparência, sempre valorizando o conhecimento científico.

Os associados do CCAS são profissionais de diferentes formações e áreas de atuação, tanto na área pública quanto privada, que comungam o objetivo comum de pugnar pela sustentabilidade da agricultura brasileira. São profissionais que se destacam por suas atividades técnico-científicas e que se dispõem a apresentar fatos concretos, lastreados em verdades científicas, para comprovar a sustentabilidade das atividades agrícolas.

A agricultura, apesar da sua importância fundamental para o país e para cada cidadão, tem sua reputação e imagem em construção, alternando percepções positivas e negativas, não condizentes com a realidade. É preciso que professores, pesquisadores e especialistas no tema apresentem e discutam suas teses, estudos e opiniões, para melhor informação da sociedade. É importante que todo o conhecimento acumulado nas Universidades e Instituições de Pesquisa seja colocado à disposição da população, para que a realidade da agricultura, em especial seu caráter de sustentabilidade, transpareça.

* José Luiz Tejon Megido é membro do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS) e Dirige o Núcleo de Agronegócio da ESPM.