19 de julho de 2013

Acompanhamento do cio é fundamental para inseminação

Um dos fatores mais importantes para se obter sucesso nos programas de inseminação artificial (IA) é a correta observação dos cios (momento certo para a reprodução). Trata-se de um procedimento fácil de ser aplicado em qualquer propriedade, mas deve ser feito com responsabilidade. Não existem alterações nos sintomas dos cios em gado de corte ou leite, o que difere é o manejo dos animais. Em gado de leite é mais fácil a análise, já que os animais apresentam temperamento mais calmo e ficam no período da manhã e da tarde em contato direto com os funcionários para realizar a ordenha.

Para animais de corte é necessário reunir todos os animais em curral ou mangueira para fazer a observação. Este processo deve ser realizado por pelo menos uma hora no período da manhã (quando estiver amanhecendo) e uma hora antes de escurecer. Grande parte dos animais entra em cio de madrugada porque estão sozinhos neste horário e a temperatura é mais amena. Para identificar os sinais de cio é preciso andar no meio dos ruminantes para fazer com que se locomovam – isto facilita o aparecimento das evidências de cio.

Existem quatro fases do cio, as mais importantes são:  pré-cio e o cio propriamente dito. No pré-cio, como o nome indica, são os sinais que aparecem antes do cio. Os sintomas são: vulva (parte externa do órgão genital da vaca) começa a ficar inchada e avermelhada; corrimento vaginal (no início bem líquido e depois mais viscoso); inquietação; nervosismo; cauda erguida; distanciamento do restante dos animais; maior quantidade de mugidos e urina; menor ingestão de alimentos; redução da produtividade; monta nas outras vacas, mas não se deixa montar.

Já no cio, as vacas deixam as companheiras ou o rufião montar sem sair de baixo, sendo este o sinal mais importante nesta fase. Se ocorrer a aceitação de monta no período da manhã, a vaca deverá ser inseminada à tarde. E caso seja à tarde, o animal precisará ser inseminado no outro dia pela manhã. O intervalo médio de repetição de cios é de 21 dias, variando de 17 a 24 dias.

A observação correta do cio é responsável pelo sucesso do programa de inseminação artificial, já que indica o horário apropriado para inseminar. Podem ser utilizados rufiões para auxiliar na detecção de cios, mas isto não quer dizer que o inseminador esteja dispensado de sua observação. É importante lembrar que o rufião auxilia, mas o profissional precisa ter a responsabilidade de fazer a observação correta. Mais informações pelo site www.altagenetics.com.br

Fonte: Alta/LN Comunicação

Canal AgroRevenda

 

Papo de Prateleira

 

Newsletter

Receba nossa newsletter semanalmente. Cadastre-se gratuitamente.