13 de agosto de 2013

Materiais utilizados na inseminação precisam de cuidados especiais

Quando a inseminação artificial (IA) é realizada diversos materiais são envolvidos no procedimento e o correto manuseio é essencial para o sucesso desta tecnologia. Os devidos cuidados poderão evitar contaminações e desperdício de material.

Todos os itens do aplicador (corpo, êmbolo, trava e anel) devem ser limpos após a sua utilização, de preferência com álcool. Da mesma maneira, pinça e cortadores de palheta também precisam ser limpos e secos antes de serem guardados.

Alguns materiais devem ter cuidados especiais:

Botijão de sêmen: A garantia da qualidade do sêmen está essencialmente ligada ao seu recipiente, ou seja, o botijão.

O local de armazenamento deve ser seco e fechado, de preferência, dentro de uma caixa rígida, revestida internamente com espuma ou isopor. A caixa evita pancadas, tombamentos e contato direto com o chão, que pode acarretar no vazamento de nitrogênio. Constantemente, o nível do nitrogênio deverá ser medido com régua apropriada. Para realizar esta verificação, é necessário introduzir a régua no botijão até que ela encoste no fundo, esperar alguns segundos e retirar. Após balançar suavemente, observar a faixa branca formada pela condensação do ar, que indica o nível existente no botijão. Sempre que estiver com 15 centímetros deverá ser reabastecido.

Todos os botijões possuem uma válvula de vácuo próxima a uma de suas alças e jamais deverá ser adulterada. Com a entrada de ar o botijão perde seu poder isolante e de conservação da temperatura baixa.

Bainha: a abertura do pacote deverá dar passagem para uma bainha de cada vez, para evitar a contaminação das outras que não foram utilizadas, já que todas são esterilizadas. A embalagem precisará ser mantida em local seco, limpo e sem contato com os outros materiais usados na inseminação.

Aplicador: é necessário atenção e cuidado para não entortar o êmbolo, pois pode acarretar na diminuição da prenhez nas propriedades e resultar em prejuízos.

Dependendo da quantidade de inseminações feitas na propriedade, todo o material deverá ser imerso em água fervendo a cada 10 ou 15 dias, para que as substâncias solidas presas no interior sejam soltas. É importante ressaltar que a água demora a evaporar, portanto, cuidados deverão ser tomados para que os materiais estejam bem secos antes de guardar.

A Alta recomenda que os materiais fiquem sempre próximo ao local das inseminações, em armário fechado e com cadeado, para evitar que pessoas não autorizadas os manuseiem e provoquem acidentes.

Mais informações pelo site www.altagenetics.com.br.

Fonte: Alta / LN Comunicação

Canal AgroRevenda

 

Papo de Prateleira

 

Newsletter

Receba nossa newsletter semanalmente. Cadastre-se gratuitamente.