Fish Expo Brasil reunirá tecnologia de ponta e as principais empresas do setor de pescados

“O Brasil pode transformar o pescado em alimento popular e fazer do país o maior exportador do mundo, competindo com os atuais players com vantagem”.

O International Fish Congress & Fish Expo Brasil chega no Brasil com o objetivo de reunir a cadeia do pescado de 17 a 19 de setembro em Foz do Iguaçu,PR. Com o lema “Do mundo das águas ao universo do consumo”  o evento conseguiu um feito inédito de reunir as principais entidades do setor ABIPESCA – Associação Brasileira da Indústria da Pesca, PEIXEBR, SINDIPI – Sindicado dos Armadores e Indústria da Pesca, ABRAPES – Associação Brasileira de Fomento ao Pescado e ABPA – Associação Brasileira de Proteína Animal. As discussões tem o apoio da FAO – Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação e MAPA através da Secretaria da Aquicultura e Pesca.

O evento internacional que reúne congresso e feira de negócios tem como foco empresas e empresários de pequeno, médio e grande porte, pesquisadores, estudantes, investidores, aquicultores, cooperativistas, pescadores e representantes de toda a cadeia produtiva do pescado, desde o campo até a mesa. O IFC vai contar ainda com rodadas de negócios e com a presença de representantes dos principais países compradores, produtores e competidores do mercado global de pescados que movimenta  mais de 110 bilhões de dólares e é o principal item da pauta de exportações significando 60% comercio de proteína animal no mundo. Hoje os 10 maiores exportadores são: China, Noruega, Vietnã, Tailândia, Estados Unidos, Chile, Índia, Dinamarca, Holanda e Canadá, que juntas exportaram 37,6 milhões de toneladas (22% do total), obtendo faturamento de 78 bilhões de dólares (53% do total).

A primeira edição da feira de negócios Fish Expo Brasil vai reunir os principais fornecedores de tecnologia, nutrição, equipamentos e sanidade do segmento explica a Diretora Executiva Eliana Panty “O Brasil é um dos países com um dos maiores potenciais do mundo na produção de pescados, especialmente através da aquicultura. A FAO estima que o país tem condições de produzir 20 milhões de ton/ano. Hoje produz 1,4 milhões de toneladas. Ou seja, temos muito por crescer. E isso deve acontecer de maneira muito tecnificada, principalmente através do modelo cooperativado, como está acontecendo no Paraná, com muito sucesso”.

A Executiva  Eliana Panty cita ainda que o Brasil  tem a maior reserva de água doce do mundo (13%). Possui 10 milhões de há de lâmina d’água represadas, uma costa marítima de 8,4 mil km de extensão, espécies nobres, clima favorável, matéria-prima em abundância para rações e aditivos. “O ambiente  é favorável para isso. Segundo a FAO, o pescado é a proteína animal mais consumida no mundo, representando 35% do total. E é o principal item da pauta de exportações mundiais com 60% das proteínas animais exportadas. Oportunidade de ouro para o Brasil”.

Panty destaca ainda a oportunidade gerada para as empresas e a possiblidade de divulgação na Feira Fish Expo Brasil de pequenos  negócios, sejam eles empresas de processamento, comercialização ou na aquicultura e pesca, desenvolvendo o espírito empreendedor dos participantes dos diversos elos da cadeia produtiva, oferecendo estandes à preços acessíveis e estande compartilháveis. E desta forma, fazer com que os participantes, sejam  eles de micro, pequeno e médio empreendedor aquícola e pesqueiro, possam acessar investidores e conhecimento que possa colaborar com sua formação empresarial para que capacitados consigam melhor acesso ao mercado, e a serviços financeiros, por exemplo, e principalmente que a feira de negócios possa ser a ferramenta para aproximá-los da tecnologia  e da inovação dos negócios, tão necessários para seu crescimento.

Parcerias de apoios – A Comissão Organizadora do evento firmou parcerias importantes e significativas com as principais entidades de desenvolvimento regionais, instituições de ensino e associações focadas no desenvolvimento da cadeia do pescado como MAPA  através da Secretaria de Pesca e Aquicultura, Abipesca, ABRAPES e ABPA, além de  pequenos empreendedores do setor que compõem a associação de desenvolvimento Fundação Terra, EMATER, e pequenas industrias de beneficiamento do pescado do estado do Paraná, como negócio local. Além da participação efetiva da Copacol e CVale que são cooperativas que estão oportunizando uma nova fonte de renda para os agricultores familiares, através da piscicultura.

Buscamos ainda instituições financeiras como BRDE, BNDES, Banco do Brasil e CRESOL  que estarão disponibilizando financiamentos, durante o evento, para empresas e produtores como para reforma, adequação e/ou ampliação de viveiros, contemplando a recuperação de taludes, fundos de viveiros, sistemas de abastecimento e escoamento e ampliação da área de viveiros; aquisição e instalação de aeradores, comedouros automáticos, kits, equipamentos para análise de águas e medição de parâmetros  de segurança alimentar, redes e tralha de pesca, bem como outros itens necessários, de acordo com o projeto técnico; compra de alevinos, para o primeiro povoamento e aquisição de ração que garanta boas taxas de conversão alimentar e de ganho de peso dos peixes.

“O evento tem por objetivo reunir todos os elos da cadeia produtiva de pescados em um só tempo e lugar, e desta forma criar um ambiente positivo para os diferentes atores se conhecerem melhor, estreitarem relações, reconhecerem suas dificuldades e assim debaterem temas relevantes para o desenvolvimento do conjunto da cadeia, sejam eles de caráter institucional, regulatório ou tecnológico” destaca Altemir Gregolin – Consultor e Ex. Ministro da Pesca, presidente do evento . O objetivo também é apresentar CASES de sucesso em diversas áreas, e ao mesmo tempo, através da FISH EXPO BRASIL, expor novas tecnologias e estreitar as relações entre quem oferta e quem demanda tecnologias e serviços.

Eventos neste formato já ocorrem com sucesso nos segmentos de frango, suínos e leite a mais de uma década e tem sido fundamentais para o aprofundamento das relações entre os elos da cadeia e  a busca de soluções para superação dos  entraves ao seu desenvolvimento. Não há no Brasil nenhum evento desta natureza de cadeia produtiva. Por isso o IFC vai reunir a Pesca e Aquicultura e o conjunto da cadeia do pescado, incluindo a produção, indústria, mercado e serviços, que é o que o IFC pretende fazer.

Fonte: Assessoria de Imprensa