Estudo da Spark aponta tendência de crescimento na adoção de produtos biológicos e registra avanço de ‘nematicidas’

Praga comum no Cerrado representou a metade do mercado de biológicos para soja no ciclo 2018/19, que chegou a US$ 100 milhões e cresceu 45%; valor salta para US$ 150 milhões se contabilizados produtos inoculantes. 

Um estudo da consultoria Spark Inteligência Estratégica revela tendência de alta no uso de defensivos agrícolas biológicos pelo produtor de soja. Segundo a empresa, nos dias de hoje esses produtos têm sido empregados, principalmente, no tratamento de sementes. De acordo com a Spark, somente com bionematicidas mais de 2,5 milhões de hectares de soja foram tratados na safra 2018-19. O mercado total de produtos biológicos na cultura, aponta a Spark, chegou a US$ 100 milhões, com alta de 45% ante o ciclo anterior.

Segundo a consultoria, hoje a principal empresa de estudos para o agronegócio nos setores de defensivos agrícolas e sementes, o aumento da adoção de insumos específicos para controle de nematoides foi o principal fator de influência do desempenho surpreendente dos biológicos na soja. Conforme a Spark, os bionematicidas responderam pela metade desse mercado, movimentando cerca de US$ 50 milhões em vendas na última safra.

Uma praga que incide sobretudo no Cerrado, o nematoide ataca à raiz da soja e, se não for controlado, causa perdas significativas às lavouras.

De acordo com Cristiano Limberger, gerente de relações com clientes da Spark, a adoção dos nematicidas no País saltou de 2% na safra 2016-17 para 9% na última. No Estado de Mato Grosso, por exemplo, relata o executivo, os nematicidas foram aplicados em 16% da área cultivada com a oleaginosa na safra 18/19, ante 7% do período 17/18 e apenas 2% do ciclo 16/17.

Limberger afirma que o crescimento das vendas de bionematicidas decorreu do aumento da oferta de insumos do gênero, resultante de investimentos das empresas do setor na área pesquisa e desenvolvimento de tecnologias, e também da concessão de registros a novos produtos pelos órgãos reguladores.

De acordo com o executivo, além dos bionematicidas, produtos biofungicidas registraram, igualmente, saltos significativos na adesão de produtores. Esta categoria foi a segunda mais vendida na sojicultura, no segmento de biológicos, na safra 2018-19, chegando perto de US$ 40 milhões em vendas. A adoção dos insumos cresceu de 1%, na safra 2016-17, para 7%, revela o estudo da Spark.

Inoculantes em alta – Outro dado relevante do estudo da Spark dá conta de que a adoção da coinoculação, uma prática agronômica que visa à nutrição de plantas de soja pela aplicação de produtos descritos como ‘inoculantes biológicos’, atingiu 15% da área cultivada no ciclo 2018-19. De acordo com a Spark, somados, os mercados de defensivos e inoculantes de base biológica movimentaram em torno de US$ 150 milhões no período.

“Inoculantes constituem microrganismos adicionados às sementes de leguminosas. Eles auxiliam na melhor fixação biológica do nitrogênio como nutriente”, resume Hamilton Ramos, pesquisador científico do Centro de Engenharia e Automação do Instituto Agronômico (CEA-IAC), órgão da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de SP.

Fonte: Assessoria de Imprensa