25 de junho de 2020

Dólar dispara mais de 3% com exterior arisco

O dólar saltou mais de 3% ante o real nesta quarta-feira, puxado por dia de forte aversão a risco no mundo diante de renovados temores sobre impactos econômicos do Covid-19 e depois de os EUA reascenderem preocupações sobre guerra comercial. O dólar à vista subiu 3,33%, a 5,3246 reais na venda. É a maior valorização percentual diária desde 18 de março de 2020 (+3,94%). Na B3, o dólar futuro tinha alta de 3,34%, a 5,3260 reais, às 17h13.

O real liderou com folga as perdas entre as principais moedas nesta sessão, mas o dólar subia forte também contra peso mexicano, dólar neozelandês, coroa norueguesa e rublo russo –todas divisas de maior risco e correlacionadas a commodities, assim como a brasileira. Como o número de novos casos de coronavírus saltou em muitas áreas dos Estados Unidos, os governadores de Nova York, Nova Jersey e Connecticut –antes no epicentro do surto– anunciaram que exigirão quarentena de visitantes de Estados com altas taxas de infecção por Covid-19. O índice S&P 500 da Bolsa de Nova York recuou 2,6%, segundo dados preliminares.

“Não há grandes fatores para justificar apreciação do real. No passado tínhamos os juros mais altos, hoje não mais. O real tem de andar com as próprias pernas, mas andar com as próprias pernas significa maior diferencial de crescimento a favor do Brasil, e nisso vemos o país em desvantagem”, completou. O Fundo Monetário Internacional (FMI) piorou de forma expressiva sua estimativa para a contração da economia brasileira em 2020, passando a ver retração de 9,1%, contra recuo de 5,3% previsto em abril. Se confirmado, seria o pior resultado da série história que começou em 1900. O FMI também revisou para baixo estimativas para a economia global.

Enquanto isso, o Brasil segue perdendo dólares, segundo dados do fluxo cambial, os quais mostraram saída líquida de 2,369 bilhões de dólares no acumulado entre os dias 15 e 19 de junho. Em 2020, o déficit na conta do fluxo cambial contratado é de 12,580 bilhões de dólares, contra resultado positivo de 3,507 bilhões de dólares no mesmo período de 2019. Dados parciais do BC mostraram também entrada líquida de investimentos estrangeiros em carteiras negociadas no mercado doméstico em junho até 19, mas o chefe do departamento de Estatísticas da autarquia, Fernando Rocha, avaliou ainda não ser possível falar em inflexão de saídas expressivas em meses anteriores em meio à crise do coronavírus. No relatório mensal da dívida, também divulgado nesta quarta, o Tesouro Nacional informou que a participação dos investidores estrangeiros na dívida mobiliária interna caiu a 9,11% em maio, sobre 9,36% no mês anterior, a menor desde 2009.

Canal AgroRevenda

 

Papo de Prateleira

 

Newsletter

Receba nossa newsletter semanalmente. Cadastre-se gratuitamente.