6 de fevereiro de 2020

China compra 20 navios de soja no Brasil

Concentradas no Brasil, as compras de soja da China por aqui já totalizam vinte navios somente nesta semana, segundo apurou o Notícias Agrícolas nesta quinta-feira (6), além dos outros 10 da última semana. A demanda da nação asiática permanece forte, e ganhou ainda mais ritmo diante de uma necessidade maior do país neste momento de crise, que já promoveu, inclusive, uma recuperação nos preços do farelo.  Informações que partem da China dão conta de que o setor está bastante demandado, favorecendo uma melhora nas margens industriais de esmagamento de oleaginosa e, consequentemente, promovendo estas novas compras da soja em grão de origem brasileira.

E essa retomada do farelo se dá, principalmente, pela maior necessidade no setor de proteínas animais. Segundo informou o portal chinês Cofeed nesta quinta-feira, o Ministério da Agricultura local vem trabalhando para promover uma recuperação de seu plantel de suínos este ano, porém, ainda sofrendo com Peste Suína Africana. “Para lidar com a flutuação na produção de suínos e nos preços da carne suína desde 2019, o governo central adotou uma série de políticas e medidas para estabilizar o preço e garantir o suprimento, de modo que a capacidade de produção de suínos possa se recuperar gradualmente”, disse em nota,  Han Changbin, Ministro da Agricultura.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Han complementa dizendo, porém, que “a situação ainda é grave, portanto, é necessário tomá-la como uma tarefa importante para estabilizar a produção de suínos e garantir o suprimento e tomar medidas abrangentes, como na produção de grãos, recuperando assim a capacidade de produção de suínos para um nível normal até o final de 2020”. Do mesmo modo, a ABPA (Associação Brasileira de Proteína Animal) informou que as exportações de carne de frango, em janeiro, registraram uma alta de 14,9%. As compras da China, no mesmo período, cresceram 87%.

“O mercado internacional segue pressionado, o que se reflete em preços maiores em relação ao registrado em 2019. O mix de produtos enviado para mercados com maior valor agregado, como Japão, China e União Europeia, também favorecera o desempenho mensal”, afirma o presidente da associação, Francisco Turra, em nota. Em sua última entrevista ao Notícias Agrícolas, nesta quarta-feira (5), Turra disse ainda que o momento é do Brasil buscar investir na produção de frangos diante desta força da demanda chinesa. Afinal, como ele ainda explicou, depois da PSA e do coronavírus, os casos de gripe aviária é que devem causar ainda mais problemas à produção local.

Canal AgroRevenda

 

Papo de Prateleira

 

Newsletter

Receba nossa newsletter semanalmente. Cadastre-se gratuitamente.