19 de março de 2012

Cana-de-açúcar é matéria-prima de eteno verde sustentável

A substância, fabricada em enorme escala em fábrica da Braskem, no RS, substitui o polietileno e alavanca produção de empresas de ambalagem no Brasil, que optam pelo uso de produtos que  contribuem para a preservação do meio ambiente.

Uma substância sustentável, que substituiu o uso do polietileno comum, extraído do petróleo e usado na fabricação de plástico, principalmente, sacolas, sacos e outras embalagens. Ela existe e tem produção em enorme escala no Rio Grande do Sul. Trata-se do chamado “Eteno Verde”. Ele é concebido a partir do etanol da cana-de-açúcar e possui muitas vantagens em relação ao polietileno. A maior delas, é sua característica sustentável.  Uma vez que na produção são capturadas toneladas de gases que provocam o efeito estufa no planeta, principalmente o CO². O contrário do processo do polietileno comum.

A Braskem, desenvolveu a substância com exclusividade e a partir de parcerias com várias empresas, o Eteno Verde, ou “Plástico Verde”, passou a ser adotado para a fabricação de embalagens, como por exemplo, as da Natura, que o utiliza em em sua linha de cosmésticos anunciando o apelo em prol do meio ambiente.

Outra empresa parceira da Braskem é a Embalixo, situada em Campinas, interior paulista. A partir da utilização do Plástico Verde como matéria-prima, a empresa fabrica, com esclusividade, o primeiro e ainda, único, saco para lixo à base da cana-de-açúcar e, portanto, sustentavel.

O Embalixo Sustentável não é feito do petróleo e sim de cana-de-açúcar. O plástico verde é assim chamado pela sua contribuição ao meio ambiente, uma vez que em seu processo produtivo captura até 2,5 t de CO² da atmosfera, para cada tonelada de polietileno produzido, contribuindo para redução do efeito estufa.

O “plástico verde” está sendo produzido em escala comercial em fábrica instalada na cidade de Triunfo, no Rio Grande do Sul. A matéria-prima utiliza etanol de cana de açúcar para produzir eteno, que é posteriormente transformado em polietileno, o tipo de plástico mais usado no mundo. O processo captura gases que provocam o efeito estufa, contribuindo para a preservação do meio ambiente, quando comparado com o processo tradicional de fabricação do polietileno.

O saco se decompõe mais rapidamente na natureza e a empresa ainda mantém um esquema de reciclagem, feito em sua própria fábrica, para reaproveitar sobras de fabricação desse e outros materiais.Como resultado, lançou no mercado o primeiro Saco Reciclado, feito de restos de plásticos.

Fonte: Suzana Camargo / Assessoria de Imprensa

 

Canal AgroRevenda

 

Papo de Prateleira

 

Newsletter

Receba nossa newsletter semanalmente. Cadastre-se gratuitamente.