Brasil propõe estratégias para diminuição de CO²

O assunto “meio ambiente e mudanças climáticas” não poderá jamais ser desprezado. Basta ver que o planeta Terra é o mesmo há milhões de anos, e será ocupado por cerca de 10 bilhões de pessoas que disputarão espaços, ondas magnéticas, alimentos, água, ar, e que vai gerar monumentais volumes de lixo, além dos abissais desperdícios, como por exemplo, alimentos.

A 24° conferência das partes da Convenção das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP24) aconteceu na Polônia, em dezembro de 2018 – aliás, um dos países admirados, citado pelo nosso novo Chanceler Ernesto Araújo – e lá, o nosso secretário de Mudança do Clima e Florestas do Ministério do Meio Ambiente, Thiago Mendes, fez sucesso revelando o progresso brasileiro em ações concretas, por empresas e governo, registrando a diminuição do desmatamento nos últimos dez anos, que cai de 20 mil km² para 7,9 mil km² ao ano.

Nos termos do Acordo de Paris, todos os países se comprometeram a reduzir as emissões de gases de efeito estufa, para limitar o aumento médio da temperatura global abaixo de 2°C e o mais próximo possível de 1,5°C.

Temos muito a fazer nos nossos seis biomas: pampa, mata atlântica, caatinga, cerrado, pantanal e Amazônia. Estados como Mato Grosso e Tocantins têm decrescido o desmatamento ilegal de forma considerável, na casa de 80% nos últimos 15 anos.

Na Polônia, apresentamos 42 projetos, com a participação da sociedade civil, possibilitando diminuição da emissão de dióxido de carbono – CO². Dentre eles, que consideramos vital e estratégico para o Brasil, será o crescimento do sistema de Integração de Lavoura, Pecuária e Floresta (ILPF), e como o ex-ministro da Agricultura, Alysson Paolinelli tem dito e trabalhado, o produtor rural do futuro será também produtor de água; um gestor da água com irrigação sustentável administrada.

Uma das iniciativas do Brasil não foi aprovada, que era criar um mecanismo de incentivo às ações da iniciativa privada sobre a diminuição do aquecimento global. Ideia com a qual concordo totalmente, pois a soma do PIB das cinco mil maiores corporações privadas do planeta as colocam dentro das três maiores economias do mundo.

E, sem dúvida, seremos cada vez mais dependentes de uma forte governança das corporações, que impactam hoje muito mais do que os governos.

Portanto, o Brasil precisa insistir no mecanismo de estímulo às iniciativas privadas na emissão de CO². Não adianta querer cair fora, ao contrário, do lado de dentro desse movimento teremos muito mais oportunidades do que a soma das dificuldades. 

* José Luiz Tejon Megido é mestre em Educação Arte e História da Cultura pelo Mackenzie,
doutor em Educação pela UDE/Uruguai e membro do Conselho Científico Agro Sustentável
(CCAS).