ANPII destaca Brasil na XXIX RELAR no Chile

Durante a Reunião Latino Americana de Rizobiologia a associação realizou duas palestras sobre uso de inoculantes no Brasil e divulgou pesquisa do setor.

A agricultura está passando por uma importante mudança relacionada ao uso de produtos mais compatíveis com o meio ambiente, o que significa que pesquisadores, empresários e autoridades governamentais estão preocupados em gerar conhecimento, produtos e regulamentações para enfrentar os novos desafios. Com esta visão, a ALAR – Asociación Latino Americana de Rizobiologia realizou na primeira semana de abril a 29ª RELAR, na cidade de Puerto Varas, no Chile, organizada pela Universidad de La Frontera.

Durante o encontro, que reuniu especialistas em Fixação Biológica de Nitrogênio (FBN) de diversos países da América Latina, contando também com a presença de especialistas da Espanha, Itália e outros países, foram discutidos os avanços da FBN no continente e no mundo, buscando uma agricultura mais produtiva e sustentável.

A ANPII (Associação Nacional dos Produtores e Importadores de Inoculantes), além de participar ativamente das reuniões, trouxe a visão do país em duas palestras: O Uso do Inoculante no Brasil, ministrada por José Roberto Pereira de Castro, presidente da associação, na qual abordou o crescimento no uso do insumo, bem como sua distribuição nas principais áreas de soja do país, e a Pesquisa Cooperada Entre Empresas Concorrentes: uma nova forma de desenvolvimento, apresentada pelo consultor Solon C. Araujo, que mostrou o trabalho desenvolvido pelas empresas associadas e que estão na vanguarda da FBN no Brasil, sendo referência para diversos países do mundo.

Palestras identificam crescimento da FBN – Segundo o presidente da ANPII, as duas apresentações despertaram o interesse entre dos participantes, com grande número de perguntas sobre o crescimento do uso de inoculantes no Brasil. Em sua apresentação, o presidente da ANPII, José Roberto Pereira de Castro, destacou que, no país, dos 34 milhões de hectares cultivados, 82% fazem a adoção do uso de inoculantes. Reforçou também, a importância da coinoculação em soja e feijão. “Na colheita 2017/2018, a Associação registrou um aumento de 32% de doses de Azospirillum vendidos para coinoculação, em comparação a colheita anterior 2016/2017.”

Já Solon Cordeiro de Araujo contou em sua apresentação, que as empresas associadas à ANPII, em parceria com a Universidade Federal do Paraná, estão desenvolvendo um novo inoculante utilizando três cepas de Azospirillum brasiliense. “Buscamos assim trazer mais tecnologia e excelência para o mercado agrícola no país. Unimos esforços de todos os associados e no momento estamos  iniciando  os primeiros testes de viabilidade industrial”, explica o consultor.

Sobre a ANPII – Em 1990, as empresas produtoras e importadoras dos inoculantes criaram a Associação Nacional dos Produtores de Inoculantes, tendo – posteriormente – incorporado os importadores de inoculantes, alterando o nome para Associação Nacional dos Produtores e Importadores de Inoculantes (ANPII). A associação visa difundir o uso deste insumo e busca constantemente a melhoria da qualidade, para atender a necessidade de elevadas produtividades do agricultor brasileiro. Atualmente conta com nove empresas associadas: Agrocete, Bioagro, Grupo Vittia, Laboratório Farroupilha, Microquimica, Novozymes, Rizobacter, Stoller e Total Biotecnologia.

Fonte: Assessoria de Imprensa


Compartilhar:

Email Facebook LinkedIn Twitter Print

Canal AgroRevenda

 

Papo de Prateleira